quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Texto de Juliano Martinz


Estou apresentando este texto de Juliano Martinz como exemplo.

COMO CONQUISTAR LEITORES APAIXONADOS.
As histórias possuem um poder maravilhoso sobre as massas de leitores ao redor do mundo: o poder de cativá-los. Independentemente da época, compor uma narrativa é uma das formas mais intensas para se atingir o coração (e o intelecto) de alguém. Para os escritores, especialmente os novos autores, o grande desafio é descobrir que elementos de uma narrativa despertam esta deliciosa sensação de paixão quando, ao lermos um livro, nos descobrimos totalmente envolvidos. Isto responde à pergunta recorrente: como ser um bom escritor? Um bom livro é realizado com diversos elementos: o estilo de narração do escritor, o poder envolvente de suas personagens, os diálogos cuidadosamente construídos. Mas aqui há espaço para outros elementos que não podemos desconsiderar, ao procurarmos escrever um bom livro e fisgarmos nossos leitores.
Curiosidade – A Chave Para Conquistar Leitores
A curiosidade é inerente ao ser humano. O desejo (quase uma necessidade) de se descobrir o que vem em seguida. A curiosidade satisfeita gera uma sensação de prazer. Como uma recompensa neural que nos estimula a continuar lendo até descobrir a resposta que tanto ansiamos. Este é um elemento decisivo que os novos autores não podem desconsiderar ao procurar estimular o cérebro de seus leitores. Você talvez não consiga cativá-los tanto quanto gostaria com seu estilo narrativo. Mas poderá compensar esta falha procurando gerar curiosidade naqueles que repousam os olhos pelas palavras que você escreve.
Surpreenda Seus Leitores
Diz a ciência, contrário ao que somos inclinados a crer, que o cérebro usa a emoção mais do que a razão para avaliar o que realmente é relevante para nós. Em outras palavras, as pessoas tendem a realizar escolhas mais direcionadas pelos sentimentos do que por uma análise realista da situação. E por que esta informação é importante para os escritores? Se seus leitores não estiverem “sentindo” enquanto leem, abandonarão seu livro antes que possa imaginar (muito menos, desejar). Quando o escritor consegue arrebatar o leitor para dentro de sua narrativa, este passa a sentir e a pensar como o protagonista. Aflora-se uma empatia pelas personagens. A dor e alegria delas transmuta universos, transpassa papéis, e é sentido aqui, bem aqui, em nossa pele. Compreender a natureza humana lhe ajudará a compor personagens mais fáceis de serem amados e acompanhados por toda a trama, até o final do livro.

A continuação deste texto você acompanha no site de Juliano Martinz
http://corrosiva.com.br/como-escrever-um-livro/como-conquistar-leitores-apaixonados/

Um comentário:

  1. Olá, Maria José, muito boa sua ideia de postar aqui, por que muitos visitam mais não tem conhecimento de quase nada.
    Como sempre você está sempre nós mostrando algo a aprende.
    Vou visitar e acompanha o site do Juliano.
    Sucesso amiga.
    Beijos.
    Marley.

    ResponderExcluir